A República não pode desistir dos ciganos

Um tribunal de Portalegre decidiu que uma rapariga "cigana" podia abandonar a escola – aos 15 anos e, portanto, sem cumprir a escolaridade obrigatória. O acórdão alega o peso da "tradição" (cigana) e que a rapariga já terá as "competências escolares básicas necessárias (…) à integração social no seu meio de pertença". A decisão não é (infelizmente) inédita, e a dramática lentidão da justiça implica que dificilmente poderá ser revertida em tempo útil. Todavia, é espantoso o silêncio quase generalizado da opinião pública perante uma discriminação grave, ainda mais quando justificada por razões "culturais" ou "étnicas".

A escolaridade obrigatória não é um direito como os outros. É o direito que deve permitir às crianças emanciparem-se das limitações sociais e culturais do seu meio de origem e tornarem-se cidadãos iguais entre si. Negá-lo é impedir que venham realmente a integrar-se na sociedade e viver a plenitude das suas escolhas. É abdicar da igualdade de todos perante a lei. Além disso, contribui para que as taxas de insucesso e abandono escolar dos ciganos se mantenham mais elevadas do que a média – como acontece principalmente entre as raparigas –, prejudicando o progresso recente no acesso desta minoria ao ensino. Esta discriminação junta-se a outras da responsabilidade do Estado, como a não garantia completa de acesso à habitação social ou a manutenção de turmas e até escolas exclusivamente frequentadas por ciganos (como é o caso numa escola de Famalicão).

A segregação dos ciganos conforta preconceitos: de uma parte da sociedade maioritária, que por racismo prefere os ciganos isolados, assinalados e pobres; e de uma parte dos ciganos, que consideram a sobrevivência das suas tradições e costumes ameaçados pela maioria. Nem os preconceitos de uns nem de outros podem ser considerados numa decisão de um tribunal da República. Porque o Estado desistir de integrar os ciganos é assumir que a cidadania é de geometria variável com as culturas e tradições. E porque o direito à diferença não pode descambar em diferenças no Direito: os cidadãos portugueses ciganos têm direito a manter sem estigmatização os seus costumes e tradições que respeitem as leis gerais, mas não se pode ignorar que dentro das minorias também existe frequentemente estigmatização de quem abandona o grupo – e na cultura cigana uma menorização tradicional das mulheres.

Por entre a floresta das culturas, das tradições, das identidades e dos preconceitos, a República tem que ver cada cidadão como uma árvore que independentemente das suas raízes merece atenção para poder crescer e frutificar.

Ricardo Gaio Alves


(Público, 19 de Setembro de 2018)


Pela Ponte Manoel de Oliveira

A Associação República e Laicidade apoia o movimento de cidadãos que propõe que a nova ponte do Porto tenha o nome do cineasta Manoel de Oliveira. A Associação República e Laicidade entende que o nome proposto pelos presidentes de câmara do Porto e de Gaia – António Francisco dos Santos – se refere a uma


Assembleia Geral electiva de 3/3/2018

Na Assembleia Geral de 3 de Março de 2018 foram eleitos novos órgãos sociais com a composição seguinte. Direcção Ricardo Alves (Presidente) João Vasco Gama (Secretário) Miguel Carvalho (Tesoureiro) Leonor Abrantes (1ª Vogal) Alexandre Andrade (2º Vogal) Xavier de Basto (3º Vogal) Miguel Duarte (4º Vogal) António Serzedelo (5º Vogal) Rodrigo Brito (6º Vogal) Mesa


Assembleia Geral no dia 3 de Março

Foi convocada uma Assembleia Geral electiva da Associação República e Laicidade para o próximo dia 3 de Março.


Pela laicidade das câmaras municipais

Requerimento enviado à Câmara Municipal de Viseu sobre o crucifixo no Salão Nobre da Câmara Municipal Acta da reunião da Câmara Municipal de Viseu de 28 de Dezembro de 2017 Requerimento enviado à Câmara Municipal de Lamego sobre o crucifixo no Salão Nobre da Câmara Municipal (Lamego; fonte) Requerimento enviado à Câmara Municipal de Sernancelhe


Pelo fim da «Mensagem de Natal do Cardeal Patriarca» na televisão pública

A Carta enviada à RTP pedindo o fim da difusão da «Mensagem de Natal do Cardeal Patriarca» na televisão pública no formato actual. Notícias nos media «Associação quer fim da mensagem de natal do Cardeal Patriarca de Lisboa na TV» (Diário de Notícias, 26/12/2017) «Associação quer fim da mensagem de Natal do Cardeal Patriarca na


Viva a República!


Financiamento da igreja católica em Barcelos

A Associação República e Laicidade contribuiu para o artigo anexo no Jornal de Barcelos, que sistematiza os largos subsídios atribuídos pela Câmara Municipal de Barcelos à Igreja católica.


Tolerância de ponto pela visita do Papa

A Associação tomou posição contra a concessão de tolerância de ponto por ocasião da visita do Papa. Notícias nos media «Associação República e Laicidade considera tolerância de ponto “discriminatória”» (Observador, 27/4/2017) «Tolerância de ponto para ver Papa é “desnecessária e discriminatória”» (Diário de Notícias, 27/4/2017) «A favor, indiferente, contra: quem é quem na polémica da


Entrevista ao Vidas Alternativas

Entrevista de Ricardo Alves a António Serzedelo, do programa Vidas Alternativas, sobre a situação da laicidade após um ano de novo governo.