Direito à Blasfémia – Semanário «Charlie Hebdo» ilibado de acusação

O tribunal de Paris acaba de ilibar (22 de Março) Philippe Val, director do semanário satírico «Charlie Hebdo», acusado de ter publicado caricaturas de Maomé consideradas ofensivas pelos muçulmanos, designadamente, acusado de “injúria pública dirigida a um grupo de pessoas por causa a sua pertença religiosa?.

A Grande Mesquita de Paris, a União das Organizações Islâmicas de França, membros do Conselho Francês do Culto Muçulmano, e a Liga Islâmica Mundial, que se lhes veio a juntar, punham em causa a publicação pelo semanário «Charlie Hebdo», em Fevereiro de 2006, de três desenhos considerados ofensivos, concretamente, a capa de um número especial da revista onde se re-publicaram desenhos anteriormente publicados pelo jornal dinamarquês «Jyllands-Posten» e duas das caricaturas apresentadas nesse jornal:

charlie-hebdo-blaspheme-01.jpg

A União das Organizações Islâmicas de França já afirmou estar determinada a recorrer daquela sentença.

acesso a notícia original / doc/R&L (pdf)

One Comment

  • Viva.

    As caricaturas foram, são e serão possibilidades de reclamações de injúria pública dirigida a uma pessoa ou a um grupo de pessoas. Eu adoro bacalhau com natas, e se fizessem caricaturas de bacalhau com natas iriam estar a fazer uma injúria pública a mim e a muitas outras pessoas. Ou existe liberdade de expressão para tudo ou não existe para nada.

    Comprimentos,
    Bruno Resende

Deixar uma Resposta