O Trono e o Altar na RTP – clericalismo republicano (!?)

O TRONO E O ALTAR E A RTP

As cerimónias oficiais da inauguração do novo Centro de Produção da RTP, inseridas nas comemorações do 50.º aniversário daquilo que deveria ser a nossa «televisão pública» foram, uma vez mais, motivo de expressão do arreigado clericalismo de que o nosso regime republicano (!?), às suas mais  altas instâncias, teima em não se saber libertar.

Na ocasião por ironia? , Cavaco Silva fez discurso a alertar para o facto de a RTP dever ter “especiais exigências de rigor e imparcialidade”

acesso a notícia: documento/R&L

Para quem não viu a reportagem, aqui fica um breve registo em sequência fotografica:

 
rtp-2007-03-07-01-a.jpg
rtp-2007-03-07-02-a.jpg
rtp-2007-03-07-03-a.jpg
rtp-2007-03-07-04-a.jpg
rtp-2007-03-07-05-a.jpg
rtp-2007-03-07-06-a.jpg

16 Comments

  • A solução é continuar a lançar estes alertas, mas também acreditar que o povo está cada vez mais lúcido e esclarecido e que essas velhas “tradisções salazarentas” vai caindo de podres. Nessa altura nem com benção lá vão!!!

  • Pedro wrote:

    Já vai fartando. Já vai fartando mesmo a sério.

  • Domingos e Sousa wrote:

    Aqui em Portalegre, os poucos padres já estão quase todos com cerca de 70 anos ou mais, penso que a situação no resto do País é semelhante..,
    De facto a sociedade Portuguesa vai-se libertando paulatinamente do jugo dos clérigos.

  • Gustavo Urbano wrote:

    Muito chocam estas imagens.Não tanto o facto da velha igreja continuar a tentr a todo o custo manter o status quo, mas principalmente pelo desrespeito que as mais altas instâncias demonstram pelas leis da republica que juraram defender.
    Como é que é possível que o mais alto magistrado da nação permita ( será que apenas permitiu?) que de uma só vez sejam violadas as leis da liberdade religiosa e a do protocolo de Estado? Se bem me lembro a RTP ainda é publica. Será que se esquecerma que nas cerimónias públicas não pode haver cerimónis religiosas? SErá que se esqueceram que a lei do protocolo é obrigatória em todas as cermónias publicas e privadas? então porque é que o cardeal da Igreja Católica Romana ( podia ser qualquer outra) assume claramente a posição de nº2 no protocolo de estado?
    Isto é que me choca profundamente. a violação clara das leis da republica pelo, ou pelo menos perante o seu principal garante… ( ou será que não sabia, ou será que nós já nos esquecemos da sua orientação espiritual?)algo vai mal na republica de portugal.

  • António Rodrigues wrote:

    Espero que a Presidência da República também caminhe para o século XXI… sejamos optimistas.

  • Antonio Barbosa Topa wrote:

    Ha que nao esmorecer : denunciar sempre e cada vez mais actos deste tipo, que eu julgava terem sido enterrados com o 25 de Abril. Mal qual quê!!! Pequenissima sugestao: nao ha possibilidade de “apresentar queixa” no Tribunal Constitucional ou outra instância? Um abraço

  • De facto quando vi as cerimónias na televisão, perguntei à minha mulher se andavam a estrumar um campo anexo à minha habitação, tal era o cheiro pestilento.
    O que a RTP transmitiu, nada mais foi que uma demonstração, de que os resquícios salazarentos ainda se mantêm na nossa sociedade.
    Exagero meu?… o tempo dirá!

  • [...] CLERICALISMO March 8th, 2007 by triplov à atenção de Estela Guedes, Enquanto o «clericalismo», sem qualquer respeito pela Lei da República, persiste em se mostrar ao mais alto nível das nossas instâncias republicanas, [ ver exemplo aqui: http://www.laicidade.org/2007/03/07/o-trono-e-o-altar-na-rtp-clericalismo-republicano/  paulatinamente, o «laicismo» vai-se estabelecendo nesta nossa sociedade portuguesa a caminho do futuro — uma sociedade onde, por exemplo, metade dos casamentos já não quer ser sacramento e onde quase um terço dos nascimentos é assumido fora do casamento, em uniões de facto… [ ver exemplo aqui: http://www.laicidade.org/2007/03/08/entretanto-uma-%c2%abnormalidade-laica%c2%bb-vai-se-aos-poucos-instalando/  Quando é que os nossos políticos de Lisboa (a nossa política ainda é Lisboa…!) — bem como os nossos clérigos — vão compreender que o velho e salazarento Portugal, o Portugal de matriz atávica, medieval, fechada e paroquial, está mesmo em vias de acabar ? Saudações republicanas e laicas do Luis Mateus [...]

  • José Eliseu Pinto wrote:

    Se em política o que parece é, por maioria de razão tal verdade se aplica, com redobrada acuidade, às relações do poder político com a igreja católica apostólica romana. Não deveríamos estar tão tranquilos e confiantes nos sinais que nos vão indicando a sua progressiva perda de poder, veja-se os repetidos exemplos que a história nos dá do comportamento da ICAR sempre que os tempos anunciam uma suposta diminuição da sua influência na sociedade.

  • Mário de Oliveira wrote:

    Na festarola, só faltou mesmo o andor da cega, surda e muda senhora de Fátima! Pobre país, que tais beatos tem a representá-lo

  • Viva,

    Fiz um pequeno vídeo alusivo ao tema:

    -> http://webtekk.org/ateismos/?p=283

    Para o caso de alguém o querer linkar também o coloquei no youtube:

    http://www.youtube.com/watch?v=HODmcd7-24I

    Comprimentos,
    Bruno Resende

  • Sílvio Matos wrote:

    A falta de respeito pelos portugueses não católicos e por aqueles que sendo-o não se reveem nestas atitudes, devia-os encher, a todos aqueles “cavalheiros”, de vergonha. Os “reis” VÃO CADA VEZ MAIS NUS…

  • É por estas e por outras que a RTP cada vez me merece menos credibilidade. Aliás nem me dou ao trabalho de ver o lixo que são as tv’s portuguesas!!
    Quando deixaremos de ser um povo tão atrasado?
    Um viva à Republica e Laicidade por denunciar os atropelos à legalidade e acreditar ainda que é possível melhorar este antro de “ancefalos” que é Portugal, salvo honrosas excepções.

  • Estamos cada vez mais a regressar O “Deus, Pátria, Autoridade”.
    É uma vergonha o que se passa com a disciplina de Religião no 2ºciclo, as crianças são chantageadas para aderirem à disciplina, que é a que seca o orçamento para visitas de estudo. Além disso, os que não vão passear religiosamente, ficam na escola sem fazer nada porque não podem dar matéria sem os colegas católicos. Para quando, esta gente fora das escolas? Quem quiser ensinar religião aos filhos, tem uma igreja ao virar da esquina.

  • [...] Enquanto, ao arrepio da lei (Protocolo de Estado, etc) e sem receo do ridículo, um clericalismo atávico e resistente se manifesta ao mais alto e mediático nível da encenação do nosso Estado – tal como ontem sucedeu na RTP –, nos lugarejos, nas aldeias, nas vilas e nas cidades do nosso «país real» a laicidade vai-se calmamente afirmando com passos decididos e seguros. [...]

Deixar uma Resposta