Símbolos religiosos e resultados de votações


religious-symbols-01-b.jpg

Segundo um estudo académico da Universidade de Stanford (EUA), o local onde se vota e os símbolos que lá se encontram podem influenciar o resultado da votação. Simulações de voto efectuadas para esse estudo concluíram que cerca de 75% das pessoas a quem são mostradas imagens de locais de voto neutros (escolas, quartéis de bombeiros…) votam favoravelmente a investigação científica em células estaminais, enquanto essa percentagem desce para aproximadamente 50% nas pessoas a quem são mostradas imagens de locais de voto em igrejas. As igrejas cristãs, de um modo geral, opõem-se fortemente à investigação em células estaminais.

A neutralidade confessional das secções de voto é uma questão que tem sido levantada nos Estados Unidos, e em Espanha. Em Portugal, a Associação República e Laicidade levantou a questão junto da Comissão Nacional de Eleições, que recomendou que não se colocassem mesas de voto em locais onde existissem «outros símbolos» que não os ligados à República.

3 Comments

  • Teresa wrote:

    Independentemente das demonstrações científicas, o direito ao Voto (Universal) é uma propriedade dos Estados Democráticos e os assuntos dos Estados que se afirmam como tal devem realizar-se em espaços Neutros, isentos de símbolos, de forma a que todos os cidadãos possam exercer os seus direitos e os seus deveres cívicos sem constrangimentos.
    Manifesto aqui, a minha total concordância para com a acção da R&L. E PARABENS pelo resultado. (O texto científico é bastante abrangente e muito interessante.)

  • Imagens instigam mesmo subconscientemente a acções potenciadas por convicções infundadas. Associando fé a algo como vontade individual mais não se faz que tentar que essa vontade individual se comporte como mentalidade grupal de totalitarismo religioso. Mas falando em E.U.A e na sua homogeneidade entre estado e religião, gostaria de deixar aqui ficar um link para um vídeo que considero um dos maiores atentados à liberdade de expressão. Quando as raízes do totalitarismo religioso se propagam como vírus por uma sociedade acontecem casos destes, em que até mesmo o jornalismo se vê afectado.

    Sam Harris iria falar dos problemas da fé infundada, do estudo de células estaminais e simplesmente não teve o direito a falar. Vergonhoso.

    http://youtube.com/watch?v=traRmwGEunQ

  • [...] Face às posições publica e notoriamente assumidas por algumas confissões religiosas portuguesas – e, designadamente, pela Igreja Católica – perante a questão que será objecto do próximo referendo sobre a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, a associação cívica República e Laicidade (R&L) levantou, oportunamente, junto da Comissão nacional de Eleições (CNE), a questão da eventual existência de símbolos religiosos em instalações (escolas, autarquias, salões paroquiais, etc.) onde serão instaladas assembleias de voto para aquela consulta popular. Essa questão afigura-se bastante relevante – como alguns estudos realizados nos EUA expressivamente comprovam – e, assim sendo, em estrito respeito pela Lei Orgânica do Regime de Referendo, a CNE deliberou recomendar às câmaras municipais e juntas de freguesia que não coloquem mesas de voto em locais onde existam outros símbolos para além daqueles ligados à República. [...]

Deixar uma Resposta