R&L/Imprensa – Agência Lusa [06/12/06]

lusa-a-01.jpg

Referendo: CNE recomenda apenas símbolos ligados à República nas mesas de voto

Lisboa, 06 Dez (Lusa) – A Comissão Nacional de Eleições (CNE) recomendou hoje às câmaras municipais e juntas de freguesia que no referendo sobre aborto não coloquem mesas de voto em locais onde existam “outros símbolos” para além daqueles ligados à República.

acesso ao texto integral: arquivo R&L (pdf)

7 Comments

  • Sílvio Matos wrote:

    Bravo pela persistencia que pouco a pouco vai dando resultados. Não se muda este País por passes de mágica.

  • Começa a parecer óbvio, mas alguém teve que por o dedo no ar …

  • É bom receber notícias destas e perceber que duas ou três pessoas valem muito mais que dúzias de instituições caducas e bolorentas…
    Palmas para a R&L.

  • João Palmeiro wrote:

    A pouco e pouco vão levando este país ao bom caminho: o do Estado Laico onde TODOS seremos livres de ter ou não ter credos. Obrigado Amigos por mais esta victória.

  • maria josé wrote:

    De pequenas vitória se faz a mudança.Força, determinação e valor fazem a marca de uma organização exemplar.Sinto-me honrada por ser vossa amiga.
    Maria José

  • pedro pereira wrote:

    A religião, os valores religiosos e a demonstração destes são algo de individual e assim deverão permanecer. O Estado não tem, nem nunca poderá ter um papel confessional, sob pena de defender valores que representam o fim desse próprio Estado. A Igualdade, a Liberdade, a Democracia, a Solidariedade e a Fraternidade, são a base da criação do Estado moderno e humanamente desenvolvido. Honra-me muito que Portugal tenha uma associação em prol da laicidade e da república.

  • [...] A neutralidade confessional das secções de voto é uma questão que tem sido levantada nos Estados Unidos, e em Espanha. Em Portugal, a Associação República e Laicidade levantou a questão junto da Comissão Nacional de Eleições, que recomendou que não se colocassem mesas de voto em locais onde existissem «outros símbolos» que não os ligados à República. [...]

Deixar uma Resposta